Estava mergulhando na costa verde do Rio de Janeiro com um amigo chamado Bernardo a bordo do meu barco, uma 29 real. O Bernardo acabou ligando para um amigo dele que eu não conhecia para contar o resultado do nosso mergulho, percebi que o amigo dele (Otávio) havia dito que estava indo para a Bahia na noite do dia seguinte, tomei o telefone da mão dele e falei para o Otávio, que eu ainda não conhecia a Bahia e gostaria muito de ir também, ele disse que tinha vaga para nós dois !

O Bernardo ficou pensativo mas topou também, pronto ! Dia seguinte estávamos indo para Caravelas, eu tava louco pra conhecer aquilo la faz tempo ...

No primeiro dia de manhã, chegamos no pesqueiro e eu empolgado já fui logo pulando do barco de qualquer jeito, quebrei a minha nadadeira de carbono Spierre e não tinha outra nadadeira de reserva ... minha cabeça só pensava que tinha acabado tudo pra mim, que só ia assistir ... quando o Otávio, um rapaz que eu não conhecia muito bem, me emprestou uma C4 que era a reserva dele ... a nadadeira era muito macia e com a minha pernada de gorila eu acabei quebrando a dele também no final do dia !!! Pronto, agora sem chances ... fui dormir mal naquele dia, tinha pego uns badejos e dentões mas nada muito grande ...

No dia seguinte, o capitão do barco Maurício tinha concertado a minha nadadeira com parafusos, cara, não é que ele deu um jeito e ficou perfeita !?!?!

Me meti na água com todo o cuidado, peguei meu engodo e botei na primeira toca que eu vi, meus amigos já estavam mergulhando a um tempinho, então fui sem muita pretensão porque já tinham varrido tudo ...

Dei minha segunda descida atrás do meu engodo e vi aquele badejão de 26 quilos se intimidando com a minha presença, porém ainda querendo comer o engodo ... pensei rápido e já dei um tiro na cabeça de cima pra baixo mas não apaguei ele .... fui na superfície e peguei a arma do Bernardo que me ajudou e dei o segundo tiro ... pronto, peixe embarcado !!! Já começava bem o dia as 8 da manha, mas a surpresa viria as 9, logo depois ...

Fui em um cabeço de pedra que ficava nos 13 metros e a areia ficava nos 18 metros, mas quando cheguei no cabeço vi um badejão de uns 15 quilos se entocando lá em baixo nos 18 ... pensei, vou jogar o engodo la em baixo e vou ver se ele sai ...

Fui no barco, peguei o engodo e fui pra onde eu tinha deixado a boia pra marcar ... desci na marca certinha que estava em cima do cabeço nos 13m para analisar onde eu ia deixar o engodo nos 18m pra fazer o badejo sair e poder dar um tiro na areia longe de pedra ...

Nessa que eu desci nos 13m em cima da pedra pra analisar, eu senti alguma coisa vindo pra cima do meu engodo ... 3 barracudas enooooooormes com aqueles dentões ... minha reação foi soltar o engodo que era do badejo ... rsrsrsrsrsrs

Ficaram pedaços de bonito flutuando na minha frente e as barracudas me rodeando... em fração de segundos eu pensei, se eu atirar vou perder a minha arma, esse bicho eh muito bruto, pensei que poderia ser mordido também, pensei tudo muito rápido, mas a minha reação foi atirar na maior e bem no apagador ... tiro feito mas ela não apagou ... a arbalete DIVECOM SHARK 110 varou a cabeça da barracuda de uma forma que eu não imaginava !

Tomei aquele reboque, ela começou a pular pra fora da água e os caras do barco viram que era peixe grande e vieram me resgatar de bote, subi no bote e a coloquei ela pra cima, era um monstro, não cabia no bote !!!

Todos ficaram abismados, até os mais experientes estavam dizendo que era recorde e tal, mas eu não quis nem saber, só queria ir pra água de novo !

Quando cheguei em casa no Rio de Janeiro, a notícia se espalhou, o Diego Santiago e Marcelo Viana me ligaram para me zoar, pois eu não tinha homologado o recorde mundial, que era  de 26 kg, a minha zerou a balança de 30 kg !!!

Por: Miguel Jorge